25.11.16

Pelo Mundo Nº 7

Para onde vai a máquina de guerra imperial?


Donald Trump, um candidato rejeitado pelo establishment, rejeitado até pelo próprio Partido Republicano – que não deu um centavo para sua campanha – acabou eleito presidente dos EUA. Trump é o primeiro presidente dos EUA que não é um político. Ele nunca foi funcionário público, nem foi eleito para nenhum cargo, antes de se tornar o político mais poderoso do mundo. Portanto, não existe um histórico de suas posições políticas – apenas declarações de um empresário, que no final das contas tem pouco impacto. Então, ao redor do mundo todos estão se perguntando: como vai ser a presidência Trump?

Aqui vou focar na política externa. Durante a campanha, Trump tomou uma linha praticamente “isolacionista”. O seu discurso de colocar a “América em primeiro lugar”, rechaçar as invasões ao Iraque e o bombardeio na Líbia, dizer que os EUA deve parar de armar os rebeldes da Síria e se aproximar da Rússia para encontrar uma solução conjunta para a guerra civil de lá se opôs totalmente a Hillary, que conquistou o apoio dos ideólogos da guerra que povoam Washington, D.C., inclusive aqueles que sempre se alinharam com o Partido Republicano. A única posição esperada de um candidato Republicano tomada por Trump foi uma linha dura contra o Irã. Bill Kristol, editor da revista conservadora Weekly Standard, e um dos porta-vozes dos “neoconservadores” que dominaram a administração de George W. Bush, lutou contra a nomeação de Trump como candidato Republicano, inclusive fazendo uma tentativa desastrada de nomear um candidato próprio e no final das contas, apoiando a Democrata Hillary. Trump, por sua vez, chamou Kristol de “um perdedor que quer bombardear todo mundo”.

O presidente-eleito Trump, porém, parece estar se afastando do “isolacionismo”. Já durante a campanha, discretamente chamou os neoconservadores James Woolsey e John Bolton, que advogam por uma linha duríssima contra o Irã, para serem seus conselheiros de política externa. Até agora, nenhum deles foi nomeado para seu gabinete, mas o escolhido para diretor da CIA, Mike Pompeo, tem posições que o Partido (Invisível) da Guerra aprova – contra o acordo com o Irã, a favor de vigilância em massa e de tortura, etc. O diretor da CIA não possui muita autonomia, já que sua autoridade e suas diretrizes emanam diretamente da presidência. Pode ser que Trump queira agradar o Partido da Guerra com esse nome, mas pensa em manter a CIA em rédeas curtas quando a bola começar a rolar de verdade.

Outro nome importante é o de Mike Flynn, que será o Conselheiro de Segurança Nacional. Flynn foi diretor da DIA, a agência de inteligência das Forças Armadas dos EUA, o equivalente militar da CIA. Ele fez declarações pesadas sobre o Islã, o comparando a um “câncer”. Será que ele irá prescrever uma quimioterapia em forma de bombas?

A posição de Secretário de Estado também está no ar e praticamente todos os nomes são de pessoas que acreditam no “excepcionalismo” estadunidense. Um deles é o próprio John Bolton, mas o ex-prefeito de Nova Iorque Rudolph Giuliani, que também considera o Irã um estado quase terrorista, também está no páreo. A consistência aqui é que nenhuma das pessoas que estão próximas a Trump querem estender a mão para o xiita Irã. Se isso quer dizer que os EUA continuarão alinhados com os sunitas da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar, e por aí vai, não espere mudanças na situação do Oriente Médio. Mas Trump, ambíguo como é, também quer se aproximar da Rússia, aliada do Irã. Aguardemos cenas dos próximos capítulos...

twitter.com/caiorearte2
Locations of Site Visitors